28 de abril de 2013

Senta que lá vem resenha: Homem de Ferro 3

2 comentários :
Já vou dizendo que esta resenha tem SPOILERS CRÍTICOS!!! Então se ainda não viu, vá fazer crochê, ler alguma coisa ou mesmo ver esse filme.

Muito bem, a julgar pela andar da carruagem se você ainda está lendo isso quer dizer que já viu o filme (ou você é curioso mesmo). Não colocarei sinopse nenhuma aqui, pois todos já devem saber no que o filme se baseia e no que ele se refere, vamos lá.


Logo de início já notamos que filme abandona aquela trilha rock n' roll que tanto me agradou nos dois primeiros e nos leva à músicas mais dramáticas, isso não é um ponto negativo, embora eu preferisse de longe aqueles riffs de guitarra no meio de uma trilha. O tema do ataque na mansão é simplesmente espetacular, porém a essência do rock fazia parte do Tony.

O filme abandona um pouco o lado "de Ferro" de Stark nos trazendo uma temática, de certa forma, mais real pro personagem. Logo após ele ter passado pelo portal dos Chitauri em "Os Vingadores", ele se tornou uma pessoa paranóica e ansiosa, querendo proteger tudo que importa para ele. Isso explica a quantidade absurda de armaduras que aparecem na sequência final (e também pra ajudar no departamento de bonecos da Disney). Salientando que gostei muito dessa abordagem psicológica que o filme mostrou, nos levando a ver que até gênios são simples humanos.

Em si, ele está bem mais recheado de piadinhas do que seus antecessores, o que não é de todo ruim, elas divertem um pouco, porém... Em algumas horas dá a entender que estão tentando forçar o humor e transformar os filmes de heróis em algo que não são: comédia. Pra vocês terem noção, até o Jarvis faz piada.

As cenas de ação com o homem de ferro estão soberbamente bem feitas, seja a hora do ataque à mansão em Malibu, o resgate das pessoas caindo do avião (foi a cena que eu mais curti) e até a batalha final cheia de armaduras voando e lutando.

Robert Downey Jr. dispensa críticas, ele nasceu pra fazer Tony Stark. Em "Homem de Ferro 3" temos um desafio mais físico e emocional pra ele lidar, dispensando algumas cenas de ação com armadura e apostando mais na sua estrela principal, uma hora ele até chega furtivamente na mansão de um dos vilões, somente abatendo silenciosamente os capangas, o que achei bem legal (porém me perguntei o porquê dele não usar alguma das várias armaduras prontas que ele tinha em sua mansão destruída, enfim...).

Isso deu um tom bem diferente pro filme comparado à era Jon Favreau, o que me faz pensar se é isso o que teremos da segunda fase de filmes do universo Marvel nos cinemas.

Gwyneth Paltrow teve seu papel aumentado no terceiro filme, sendo uma personagem mais participativa do que somente interferindo de longe nos acontecimentos da historia. Gostei muito do que a Pepper se tornou nesse filme, chegando a usar a Mark-42 e até a ganhar poderes pela "Extremis", mesmo que temporariamente. Porém nesse momento foi usado drama clichê de "morreu mas volta viva e bem" que vou te contar.

Don Cheadle, com uma participação também mais física e até mais divertida que a dos outros filmes, assumindo agora a identidade de Patriota de Ferro (eu preferia o bom e velho título Máquina de Combate, falando sinceramente, pra mim, essa mudança foi bem desnecessária pois não mudou nada de mais profundo na historia). Só queria ver mais cenas de ação com Rhodes dentro da armadura e sendo menos ridicularizado, como em algumas piadas bem descartáveis.

Rebecca Hall e Guy Pearce fazem bom trabalho (principalmente ele), mas enquanto ela como Maya Hansen, tem uma morte apagada e rápida, Pearce tem o maior dos papéis como, pasmem... VILÃO PRINCIPAL. Seu personagem, Aldrich Killian revela ser o verdadeiro cara por trás de todas as maquinações do falso Mandarim (Ben Kingsley) e ser o dono da Extremis, que nesse filme só faz todos criarem poderes incinerantes. Inclusive o vilão careca é nada mais que Coldblood, totalmente alterado dos quadrinhos.

Falando no Mandarim..., como você foi praticamente destruído nesse filme, hein? O maior arqui-inimigo de Tony Stark nos quadrinhos, o cara que eu tinha esperanças de ser o maior vilão de todos os filmes da Marvel, ser um antagonista realmente bom mesmo, o mestre que seria o líder dos Dez Anéis (lááá do primeiro filme) que veio em busca de vingança contra Tony e os EUA. Um cara que poderia ter sido totalmente amado de tão bom vilão que foi... Mas simplesmente abandonaram tudo isso e o jogaram no lixo... sim no lixo da sarjeta na esquina mais suja da cidade.

Em uma hora no filme, é revelado pelo próprio "Mandarim" (ele diz seu nome real, mas eu estava tão perplexo que esqueci) que ele era um ator desempregado/patético/velho sem vergonha tipo Mestre Kame, contratado por Killian para somente desempenhar um papel, pra manter o verdadeiro vilão fora do olhar de todos.
Ben Kingsley, com tanto potencial sendo desperdiçado...
E adivinha? Sim, mais humor é empregado neste ator... neste EXCELENTE ator, que poderia ter feito todos tremerem de medo, mas que no fim, só serviu como um nada (embora sua atuação tenha sido ótima). "E os anéis que ele utilizava?" vão me perguntar. Estão lá só de enfeite. Não vou nem te contar da piada do banheiro que ele diz.

Essa foi minha mais profunda decepção com o filme, nos trailers, incluindo as frases que ele dizia, posters, tudo dá a entender que ele é o vilão principal, que ele é realmente o Mandarim que todos querem ver, mas infelizmente quiseram seguir pelo lado do Killian, pelo lado MUITO errado.  A Extremis não é abordada como ela foi nos quadrinhos, Tony não necessita de injeção dela para controlar a armadura, ele já faz isso remotamente com tudo criado por ele.

Em seu final, o mini reator ark é retirado do peito de Tony juntamente com os estilhaços de bomba, com o objetivo dele recomeçar sua vida com a Pepper, sem nenhuma armadura e em outro lugar, apenas para no final ele dizer: "Eu sou o Homem de Ferro". E após alguns créditos o narrador proclama: "Tony Stark vai voltar". Pra mim, Shane Black não devia ter feito um "fim de trilogia" para o Tony. Esse é o começo de uma nova fase, o aquecimento pra Vingadores 2, pra que tentar concluir algo? Black conseguiu desconectar o Tony do universo Marvel, fazendo referências pobres e isolando personagens (Vingadores ou não) que poderiam movimentar a trama e nem cena pós-créditos decente tivemos... meus parabéns!

Em Vingadores, Tony diz que o reator faz parte dele, assim como o Hulk faz parte do Banner, então como tiram essa marca registrada no final, apenas pra dizer depois que ele voltará? Lembrando também que no Iron Man 2, o paládio está envenenando seu corpo, então porque ele simplesmente não tirou o reator, já que no 3 a operação é mostrada de uma forma tão simples? Finalizando... Yinsen no primeiro filme diz que Tony viverá com o reator pelo resto da vida e... ah, chega.

Esta parte, esta parte foi linda

Enfim, esse filme tem seus acertos, como o tom mais humano dado ao filme, tem seus (muitos) erros, mas infelizmente por algumas decisões bem furadas da Marvel, acabou sendo inferior ao primeiro e ao segundo pra mim. Foi um filme legalzinho, mas todos notam que o filme tem essa quantidade enorme de piadas pra tapar um roteiro muito furado. Homem de Ferro 3 teve a possibilidade ÓBVIA de ter sido algo bem melhor do que nos foi apresentado.

2 comentários :

  1. Apesar de ainda preferir o primeiro filme, gostei desse, embora tenham essas partes que deixaram a desejar um pouco (talvez mais que "um pouco") citadas por você. Achei meio cansativa a maior parte que o Tony fica em Tennessee também.

    No mais, ótima resenha, sr! (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, sr! E concordo com o que disse.

      Excluir